Por que isolar os gatinhos? A importância da quarentena!

Quando decidimos que queremos aumentar nosso bando em casa, de forma planejada ou inesperada, temos obrigatoriamente que promover o isolamento (quarentena) desse gatinho novo em um recinto só seu. Não importa se compramos ou adotamos um gatinho já castrado e vacinado, ou se levamos para casa aquele gatinho que resgatamos, ou se oferecemos lar temporário a um gatinho que vai para adoção. Já sabemos que juntar gatos “de primeira”, além de ser um grande equívoco no âmbito comportamental, também expõe os gatinhos a possíveis doenças e/ou parasitas desnecessariamente! 


gpw-o-pulo-do-gato

#1

Deixar o novo gatinho isolado num recinto só seu é proteger a saúde de todos os gatos da casa. É também o espaço perfeito para ele se acostumar com a nova rotina de seu novo lar (temporário ou definitivo).  Além disso, é o momento ideal para começar a aplicar as técnicas de adaptação entre gatos.

#2

Além de prover a infraestrutura básica de pratinhos de comida e água e caixa de areia, enriquecer o ambiente do recinto do isolamento e também de toda a casa melhora a qualidade de vida e ajuda no processo de adaptação dos gatos.

#3

A duração da quarentena pode ser bem curta, mas também pode se estender além do que esperávamos. Precisamos respeitar o ritmo de aceitação e adaptação dos gatinhos envolvidos, mesmo que isso signifique algum incômodo na organização da nossa casa, temporariamente. A prioridade deve ser o bem estar físico e psicológico dos nossos amados!


Antes de tudo, quero reforçar que isolar o gato em um cômodo não é maldade. Ao contrário! Para o gatinho que ficará confinado, esse é o espaço perfeito para se acostumar com a nova rotina, os barulhos e cheiros da casa, das pessoas e, principalmente, do(s) outro(s) gato(s) que vive(m) ali.

Quarentena-04
O primeiro soninho de Totí em nossa casa

O momento da exploração de um espaço desconhecido é sempre tenso para o gato. Por mais que ele tenha um instinto naturalmente curioso, ou uma personalidade bem sociável, está também em um estado de atenção total e pronto para reagir ao menor sinal de perigo. Então é possível que ele resolva se esconder num primeiro momento, mas, uma vez reconhecido e delimitado esse território, o gato vai ficando mais tranquilo e à vontade, saindo aos poucos do esconderijo. Cada gatinho tem o seu tempo, então, temos que respeitar.

Nesse sentido, um espaço menor é mais fácil para o novo gatinho explorar e reconhecer todos os pontos de seu interesse, como entradas e saídas principais, esconderijos, mirantes, rotas de fuga… Além de localizar onde pode fazer suas necessidades e onde estão suas fontes de água e comida.

A partir do momento em que seu hóspede estiver ambientado em seu recinto e também o seu(s) gatinho(s) de casa estiver curioso e ciente da presença do outro, pode começar o ritual de introdução e adaptação dos gatos.

Jaguá e Totí: o início de uma bela amizade
Jaguá e Totí: o início de uma bela amizade

Acho que se fala muito pouco sobre a importância desse momento. Mesmo que a gente sinta que está tudo certo, que os gatinhos vão se dar bem logo, que podemos lidar com fuzzz e patadas… Mas, se formos pesquisar o que dizem os especialistas em comportamento felino, todos não só recomendam que se faça o isolamento inicial, como concordam que, quanto mais tempo dura a quarentena e quanto mais exercícios de convivência se faz, melhores são os resultados a médio e longo prazo para a socialização desses gatinhos. O que significa paz e qualidade de vida para todos!

Sim, é um processo que demanda dedicação. Não é uma ciência exata, mas sabemos que a grande maioria dos casos corre tudo bem rapidinho e tranquilo. Portanto, é muito melhor fazer o isolamento inicial do que ter que lidar com brigas depois, porque achou que não ia precisar cumprir o ritual. E também, se o seu caso for como o meu, por exemplo, começar certo vai fazer uma diferença enorme! Nem consigo imaginar como estaria hoje se não tivesse posto em prática desde o princípio o que eu já sabia que era correto.

Primeiro contato visual dos três: Irá não gostou
Primeiro contato visual dos três: Irá não gostou

Outro aspecto interessante e importante da quarentena é que ela pode ser (re)começada a qualquer instante! Se você chegou a este post porque começou a apresentação dos gatinhos sem um isolamento inicial e algo não saiu como o esperado, não se desespere! Separar os gatinhos é sempre uma ótima opção para tentar resolver os conflitos. Recomece a relação deles “do zero”, separando-os definitivamente e começando os exercícios de convivência e estímulos positivos entre eles, através da porta. E daí, siga a evolução normalmente, apenas respeitando o ritmo deles.

Isolar o gatinho que chega num recinto só seu, é também proteger a saúde de todos. Tanto os gatinhos que vivem nas ruas ou os que vieram do abrigo, quanto os provenientes de alguns gatis comerciais, estão sujeitos a verminoses, micoses, fungos, pulgas, carrapatos, ou ainda a serem portadores de doenças contagiosas entre felinos, como FIV (imunodeficiência viral felina), FeLV (leucemia felina), PIF (peritonite infecciosa felina), rinotraqueíte felina (gripe), dentre outras…

Portanto, até que tenhamos completado toda a verificação das condições de saúde do novo gatinho com um veterinário, além de cumprir o protocolo de vacinação e vermifugação, e, é claro, feita a CASTRAÇÃO e pós-operatório, devemos manter os gatos devidamente separados.

Mesmo que o novo gatinho tenha sido adotado ou comprado todo “prontinho”, ou seja, saudável, castrado, com as doses de vacina em dia, livre de vermes e parasitas, também é necessário realizar o período de quarentena, pois é nesse ambiente que ele vai começar os primeiros passos de sua adaptação a seu novo lar, incluindo bichos e pessoas que nele vivem.

O espaço para o isolamento do novo gatinho deve ter estrutura para atender as suas necessidades básicas, como caixa de areia, pratinhos de ração e pote de água fresca. Procure afastar a área do banheiro da área de alimentação, pois alguns gatos podem se recusar a comer, outros podem fazer a maior bagunça rsrsrs…

Nós podemos prestar atenção a alguns detalhes que podem deixar o ambiente ainda mais acolhedor para o gatinho que precisa ficar isolado. Disponibilizar brinquedinhos diversos, da simples bolinha de papel, aos ratinhos, às caixas de papelão e, principalmente, os arranhadores, ajuda a estimular e também a relaxar nosso hóspede. Se for um gatinho muito tímido ou assustado, pode criar mais opções de tocas e esconderijos confortáveis utilizando caixas, almofadas, cobertores e o que mais estiver disponível.

Totí: a primeira caixa de papelão a gente nunca esquece
Totí: a primeira caixa de papelão a gente nunca esquece

Enriquecer o ambiente não só do recinto do isolamento, mas como de toda a casa, melhora a qualidade de vida dos gatinhos e é um ótimo recurso para nos ajudar no processo de adaptação dos gatos. Nesse sentido, apostar nos arranhadores é uma ótima ideia. Os gatinhos arranham não só para afiar e cuidar das unhas, mas também como uma forma de relaxamento do corpo e como forma de comunicação. No momento da arranhadura, depositam feromônios, que são sinais químicos naturais que provocam respostas comportamentais em indivíduos da mesma espécie. Então os outros gatinhos podem sentir esses sinais e ter noção de quem passou por ali, por exemplo. 

Outra coisa legal é buscar a verticalização dos territórios, ou seja, locais em que possa subir ou escalar, como prateleiras, um caminho até em cima do guarda-roupa, uma torre para gatos… Descansar em um local mais alto é algo que os gatinhos apreciam, pois podem ter uma visão geral do espaço e se sentir mais seguros. Se ele puder observar uma janela, é ótimo, desde que esta janela esteja devidamente telada ou trancada.

Atenção: Em hipótese alguma se deve deixar um gato acessar uma janela que não esteja protegida, sob o risco de fuga ou quedas que podem causar fraturas ou morte. Janela telada é sinônimo de posse responsável!

Quarentena-08
Totí em segurança

Quanto à caixa de areia, coloque-a num canto onde ele possa ter uma visibilidade boa de todo o recinto. Se for um filhotinho muito pequeno ou se for um gato idoso ou com dificuldades de locomoção, coloque uma caixa com bordas mais baixas, para que ele não tenha dificuldades em entrar e sair. Se ele apresentar alguma dificuldade em aprender a usar a caixa de areia, coloque mais de uma caixa dentro do recinto, ou então use uma bem grande e convidativa, como aquelas caixas de misturar cimento, que vende em lojas de material de construção, que também são bem em conta! Coloque areia numa quantidade que fique com uma profundidade razoável, boa pra cavar bastante! O ato de cavar pode estimular o gatinho a fazer suas necessidades no local desejado.

Mas atenção! O fato do gato não usar a caixa de areia pode ser um comportamento associado a problemas de saúde! Devemos ficar atentos a sinais de dor ou desconforto durante o ato de urinar ou defecar, presença de sangue nos dejetos, prostração, falta de apetite, etc., e procurar um profissional com urgência! Somente um veterinário pode diagnosticar e encaminhar o tratamento correto para o gatinho.

Bem, amigos, é claro que nem sempre dá pra se ter tudo, mas é importante oferecer alguma alternativa para o gatinho poder exercitar o corpo e a mente durante o isolamento, para que ele se mantenha calmo e aberto ao contato com as pessoas e animais da casa. E tão importante quanto prover a infraestrutura necessária, é também dar atenção ao gatinho isolado, brincar alguns minutos por dia, de preferência nos mesmos horários, para reforçar uma rotina diária bem positiva para ele, bem como ao(s) seus(s) gatinho(s) residente(s). São pequenas ações, mas que facilitam bastante a condução do processo de adaptação. 

Totí descobrindo as alturas
Totí descobrindo as alturas

Já acompanhei alguns casos de gatinhos resgatados que precisaram ficar meses confinados até terem condições de saúde de interagir com os gatos da casa onde ficaram em lar temporário e foi tudo muito tranquilo. Eu mesma vivi a experiência de um longo isolamento por questões comportamentais, no processo de adaptação entre Irá e Totí. Portanto, tenham em mente que a duração da quarentena pode ser bem curta, mas também pode se estender além do que estávamos esperando. Precisamos respeitar o ritmo de aceitação e adaptação dos gatinhos envolvidos, mesmo que isso signifique algum incômodo na organização da nossa casa, temporariamente. Afinal, a prioridade deve ser o bem estar físico e psicológico dos nossos amados!

Dos casos mais fáceis e rápidos, com gatinhos fisicamente saudáveis e que se adaptam bem entre si, ou os casos mais desafiadores, como com gatinhos que precisam de tratamento de saúde ou que não estão conseguindo se adaptar, a “fórmula” é a mesma: amor, calma, dedicação e conhecimento para a aplicação correta das técnicas de adaptação, que começa a partir da quarentena!

Até mais <3

Referências:

http://portalmedicinafelina.com.br/gato-dentro-de-casa/

http://www.catbehaviorassociates.com/

http://messybeast.com/behaviour-index.htm

Texto e fotos: Marla

Compartilhe:

4 thoughts on “Por que isolar os gatinhos? A importância da quarentena!”

  1. Pingback: Resgatei um gatinho! E agora? - Gatinhos Problema

  2. Izabel Cristina Ribeiro

    Bom dia.Estou acolhendo duas gatinhas hoje. Já tenho um casal. As orientações ajudaram muito. Quero continuar este contato. Gratidão.

    Reply
  3. Pingback: Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental (Parte 1): as necessidades ambientais - Gatinhos Problema

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *