Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental (Parte 2): o stress se esconde em casa!

Os últimos estudos em comportamento e saúde felina indicam que os altos níveis de stress, aos quais nossos gatinhos estão submetidos no ambiente onde vivem, estão influenciando negativamente a sua qualidade de vida!

Neste segundo post da série Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental vamos falar sobre os problemas de saúde e comportamento, cujas origens podem ter relação com os níveis de stress gerados pelas características do local onde vivem os nossos gatinhos.

#Atento

Todo mundo sabe da importância que os gatos dão ao seu território. Criam até mitos em torno do assunto, com pérolas como “gatos gostam mais da casa que das pessoas”. Olha só, né, dependendo do dono, até que pode ser verdade rsrsrs…

Mas é fato que sim, os gatos têm uma relação muito íntima com o seu território a ponto da sua saúde mental e física ser influenciada pelas características do ambiente onde vivem. E sim, os seus donos também são parte importante desse ambiente e suas ações influenciam diretamente na qualidade dessa relação.

Por mais que a gente ame e queira o bem de nossos fofuchos, muitas vezes as nossas casas e rotinas não estão bem adaptadas às necessidades ambientais dos felinos.

Zangadinho da mamãe

Os motivos são os mais variados: seja porque resolvemos criar nossos animais de estimação com os mesmos costumes de nossos pais ou avós, seja porque as informações disponíveis em massa na internet carecem de fundamentos, ou até porque acreditamos que fazer alterações no ambiente para atender as necessidades dos gatos é luxo ou frescura… Só que não!

Segundo as últimas pesquisas feitas pelos cientistas do comportamento felino, o stress causado por problemas comuns do cotidiano de nossas casas e famílias (compostas por humanos e animais) pode desencadear distúrbios comportamentais e/ou físicos importantes, que comprometem não só a qualidade, como o tempo de vida de nossos filhotes.

Por outro lado, quem colabora com a proteção animal resgatando e promovendo a adoção de felinos certamente tem alguma história de gatinho que foi abandonado ou devolvido por conta de problemas comportamentais. 

Nos EUA, onde existem abrigos públicos que tem obrigação de receber todo animal entregue, os gatos com problemas comportamentais e que tem dificuldade de conseguir adoção são eutanasiados, pois não há espaço, tempo e recursos para ajudar a todos.

Infelizmente são sempre eles que sofrem as piores consequências, quando muitos desses problemas comportamentais poderiam ser controlados e até resolvidos por meio de modificações no ambiente e/ou rotina de onde vivem.

Como age o stress?

Em situações inusitadas ou inesperadas, o stress age sobre o corpo liberando hormônios como cortisol e corticosterona (eixo hipotálamo-pituitária-adrenal – HPA) e catecolaminas (adrenalina e noradrenalina – sistema nervoso autônomo – SNA). Esses hormônios preparam o gatinho para enfrentar tais desafios, fazendo ele reagir com luta, fuga ou mesmo ficando paralisado de medo.

E agora? Saio correndo ou fico congelada?

Os cientistas passaram anos estudando centenas de gatos nas mais diversas situações. Coletaram amostras de fezes e sangue, mediram os níveis dessas substâncias e analisaram os resultados.

Eles observaram que o organismo dos felinos se adapta para lidar com o stress considerado “normal”. Ou seja, aos eventos de curta duração e associados ao estilo de vida natural do gato.

No entanto, perceberam que quando os gatinhos estão expostos ao stress constante ou por um longo prazo, seus organismos sofrem com as altas concentrações dessas substâncias. Isso pode contribuir para o surgimento de muitas doenças e também distúrbios comportamentais.

Sai pra lá, Irá!

Os pesquisadores buscaram, então, analisar as possíveis fontes de stress e descobriram que elas estão presentes na rotina e no ambiente onde os gatos vivem. Ou seja, o stress se esconde em nossas casas!

Stress em casa? Mas onde?

Os pesquisadores observaram que os principais fatores ambientais e sociais que podem causar ou agravar o stress felino estão relacionados a:

1. Ambiente “estéril”

Ou seja, pobre de recursos e atividades que atendam às necessidades ambientais dos gatinhos: os gatinhos vivem num lugar onde não podem expressar seus comportamentos mais naturais, como se esconder, subir, caçar, farejar, além de comer, beber, dormir e ir ao banheiro sem maiores desafios e obstáculos (saiba mais sobre os cinco Pilares das necessidades ambientais na Parte 1 do nosso Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental);

#chateado

2. Falta de rotina, surpresas e/ou eventos inconstantes

Mudanças no ambiente como trocar os móveis de lugar, reformas, mudanças de casa, visitas, hóspedes, chegada de um novo membro ou morte na família, barulho de obras, presença de animais errantes, idas ao veterinário, viagens do dono…

Por mais insignificante que nos possa parecer, tudo que altere a rotina ou possa causar surpresas aos nossos gatinhos deve ser levado em consideração, quando investigamos em stress felino.

3. Problemas de sociabilidade 

Os pesquisadores do Comportamento Felino identificaram que gatos que tem uma relação conturbada com outros gatos, com humanos e animais de outras espécies, vivem sob stress constante.

NHAC!

Os gatos podem apresentar agressividade decorrente de apresentações mal feitas e/ou falta de empatia entre certos gatos, mas também da concorrência pelos recursos ambientais básicos, como água, comida e banheiro. 

Existe também a possibilidade da agressividade surgir por questões médicas, portanto, esses aspectos devem ser investigados.

4. Relação com o dono

Talvez o problema mais importante e comum e também a causa de todos os outros. Em primeiro lugar, pela falta de informação. Muitos ainda acreditam que gatos são independentes, que sabem se virar, que não precisam de nada a não ser uma caixa de areia, um prato de comida e uma vasilha de água.

estressaaaaaadoooooo

Quando o gatinho faz algo errado, dão broncas, usam borrifador e falam alto. Não acham necessário fazer ritual de apresentação entre gatos… Ou acham que dar ao gato brinquedos e arranhadores é desnecessário, já que ele brinca com o arame do pão e arranha a quina da cama…

Que não castra os gatinhos porque tem dó, que só levam ao veterinário quando o gatinho está nas últimas…

E tem aqueles que acham que gatos precisam tomar banho toda semana ou todo mês…

A última vez que eu dei um banho desnecessário em Totí

E tem os que gostam de cheirar lá dentro das orelhas, dar beijos estalados e abraços apertados (eu! rs)…

Dudu e eu
Eu beijo sim!

E por aí vai!

E o que todos esses fatores tem em comum?

Todos eles apresentam situações que são inerentes aos nossos costumes e à infraestrutura de nossas casas. Ou seja, são persistentes, ou de longo prazo. Além disso, são em sua maioria imprevisíveis para os gatinhos, o que dificulta a sua capacidade de controlar o que se passa em seu ambiente. 

Portanto, ele passará a perceber os estímulos do ambiente como aversivos, isto é, causadores de um stress ruim. E então, sua saúde física e mental pode ser comprometida!

“Já vai viajar de novo, mamãe?”

Doenças e problemas comportamentais e suas causas ambientais

1. Doenças do trato urinário inferior felino

Quando os problemas crônicos de xixi fora da caixa chegam para os veterinários, apesar dos sintomas serem muito semelhantes, a maioria é realmente um problema médico e não comportamental, como marcação (“spraying”) ou “toiletting”. Os cientistas mediram níveis altos de catecolaminas em gatos com Cistite Idiopática (Inflamação na bexiga por causa desconhecida).

Foi observado que, em ambos os casos, as causas ambientais contribuem para o aparecimento ou agravamento dessas condições. As questões urinárias em gatos são intrinsecamente conectadas às características do lugar onde eles vivem. 

Muitos gatinhos seguram o xixi o quanto podem, outros desistem de usar a caixa de areia, que é geralmente quando a gente percebe que tem algo errado. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando o percurso até a única caixa de areia disponível na casa é um caminho cheio de obstáculos desafiadores.

Ou então as caixas estão sempre sujas, ou ele não se adapta ao modelo (caixas abertas ou fechadas, com bordas muito altas ou muito baixas), o substrato, (areia, sílica, granulados de madeira,etc.) aos odores e barulhos do entorno…  

Diga rápido: “caixa suja, chão sujo”

É importante salientar que em casos de xixi fora da caixa, o diagnóstico comportamental deve partir da total exclusão dos fatores médicos, por meio de consultas com especialistas em felinos, exames laboratoriais e de imagens.

2. Obesidade

As causas ambientais desse problema podem estar relacionadas à falta de estímulos físicos adequados à idade, às condições físicas e temperamento de cada gato da casa, que reagem diferentemente às fontes de stress.

Totí, minha gata gordinha
Gorda, eu?

Brigas entre gatos, medo dos cachorros, receio das pessoas, uma rotina agitada e inconsistente e até os hábitos alimentares dos donos podem influenciar…

Muitos tutores também usam as refeições e petiscos para trazer prazer e carinho para os gatos. Tudo isso pode deixar nossos filhotes ansiosos e eles podem encontrar na comida uma fonte de prazer e conforto. Assim como muitos de nós rsrs.

3. Diferentes formas de agressão

Não é certo dizer que um gatinho é agressivo. A agressividade é uma consequência de um estado emocional. Mas é claro que, a depender da personalidade, alguns gatos podem ser mais propensos a responderem agressivamente em circunstâncias desafiadoras do que outros.

Gatos que se sentem inseguros ou mesmo entediados em relação ao seu ambiente podem manifestar agressividade, atacando outros gatos, outros animais e até pessoas.

“Ai, meu pé!”

Quando não há oferta no ambiente de locais para o sono e o relaxamento, recursos ambientais básicos (como água, comida,caixa de areia, brinquedos, etc.) em quantidades suficientes e em localizações variadas, caminhos alternativos e rotas de fuga eficientes, os gatinhos podem desenvolver esse tipo de comportamento em relação aos outros habitantes do seu território.

4. Problemas dermatológicos

Os veterinários observaram que apesar dos fatores médicos (como vários tipos de alergias, infestações de fungos e parasitas) ainda serem as maiores causas de problemas dermatológicos, estes também são intimamente ligados aos níveis dos hormônios do stress circulando no corpo dos gatinhos.  

“Feridinhas” apareciam no rosto de Irá no início do difícil processo de adaptação com Totí

Assim como nas doenças do trato urinário, o diagnóstico comportamental se dá após a exclusão dos fatores médicos

5. Transtornos compulsivos e/ou repetitivos

Talvez o transtorno compulsivo observado com mais frequência em gatos é a síndrome de pica, também conhecida como alotriofagia ou alotriogeusia. Vem do latim Picave, que é uma espécie de corvo preto e branco que come tudo que vê pela frente rs. Ou seja, significa o consumo de materiais não comestíveis, o que pode ser bastante perigoso! 

Outra compulsão comum com origem associada ao stress é o overgrooming, conhecido por aqui como “lambeduras excessivas“. Pode acontecer quando um gatinho que está submetido a uma fonte constante de stress se lambe além do necessário para a sua higiene, manutenção e arrumação da pelagem.

Lambe-lambe

É normal que o gatinho se sinta melhor ao se limpar, então eles podem usar esse recurso para se sentirem melhor durante situações estressantes ou quando estão ansiosos.

O comportamento pode se tornar compulsivo se for realizado fora do contexto e com tanta frequência que interrompa a atividade normal. Por exemplo, quando o gato deixa de dormir ou brincar para ficar se limpando.

6. Doenças do trato respiratório superior felino 

Estudos comprovam que o stress é um dos principais fatores que causam expressiva baixa de imunidade em gatos. E com um sistema imunológico abalado, infecções respiratórias altamente contagiosas são facilmente encontradas, principalmente em decorrência de vírus como Calicivírus (FCV) e Herpesvírus (FHV), e bactérias como Clamydophila e/ou Bordetella.

As causas ambientais para essa baixa de imunidade e também dispersão do contágio estão relacionadas à superlotação dos espaços e falta de infraestrutura suficiente para todos, onde há disputa por recursos básicos.

O que podemos fazer?

Em todos esses estudos, os especialistas em comportamento felino chegaram a conclusão que com o uso adequado da técnica de Enriquecimento Ambiental podemos ajudar a diminuir consideravelmente o nível de stress dos nossos gatinhos em casa. Com isso, podemos prevenir o aparecimento ou ajudar a tratar problemas de saúde e resolver ou diminuir a incidência de comportamentos indesejados.

Além disso, também podemos aumentar a frequência de comportamentos positivos e desejáveis, aumentando a qualidade e o tempo de vida dos nossos amados. Ou seja, criando um ambiente com infra estrutura adequada e tendo uma relação de respeito às características dos nossos filhotes, teremos gatinhos mais saudáveis e felizes!

Irá aliviando o stress em seu arranhador
arranharranharranharranha

Percebemos então a importância de buscarmos informações consistentes, com embasamento científico. Quando nos mantemos bem informados, temos condições de compreender melhor o que acontece com nossos filhotes. Assim, podemos fornecer aos nossos veterinários relatos mais completos sobre as características ambientais da nossa casa e estilo de vida nos nossos gatinhos.

Por isso, fiquem ligados em nosso próximo post, pois conheceremos a definição científica de Enriquecimento Ambiental e descobrir porque muitas vezes os nossos gatinhos não ligam para as intervenções que fazemos para eles no ambiente, como colocar arranhadores e instalar prateleiras.

Falaremos também sobre os objetivos gerais e específicos que são possíveis de serem alcançados por meio da aplicação adequada desta ferramenta sensacional.

*Perdeu o primeiro post do nosso Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental (Parte 1): as necessidades ambientais? Leia AQUI!

<3

Texto e fotografias: Marla

Referências:

ELLIS, Sarah L. H. Environmental Enrichment – Practical strategies for improving feline welfare. Journal of Feline Medicine and Surgery (2009)11, 901–912.

MONROE-ALDRIDGE, Paula. RODAN, Ilona. ROSE, Carlye. THOMAS, Corinne. AAFP Position Statement – Environmental enrichment for indoor cats. Journal of Feline Medicine and Surgery, (2009) 06, 573.

AMERICAN ASSOCIATION OF FELINE PRACTITIONERS (AAFP) BOARD. Feline Behavior Guidelines from the American Association of Feline Practitioners. December, 2004.

Ilona Rodan DVM DABVP (Feline Practice) (Author), Sarah Heath BVSc DipECAWBM (BM) CCAB MRCVS. Feline Behavioral Health and Welfare – 1st Edition, 2016

AMAT, Marta, CAMPS, Tomàs, MANTECA, Xavier. Stress in owned cats: behavioural changes and welfare implications. Journal of Feline Medicine and Surgery. 2016, Vol. 18(8)577–586.

International Cat Care. Stressed cats – Identifying and addressing the signs of stress. https://icatcare.org/advice/problem-behaviour/stressed-cats

International Cat Care. Aggression between cats.   https://icatcare.org/advice/problem-behaviour/aggression-between-cats 

International Cat Care. Over-grooming problems. https://icatcare.org/advice/problem-behaviour/over-grooming-problems.

International Cat Care. Feline lower urinary tract disease (FLUTD) Signs, causes and investigation. https://icatcare.org/advice/feline-lower-urinary-tract-disease-flutd

International Cat Care. Cat flu – upper respiratory infection. https://icatcare.org/advice/cat-health/cat-flu-–-upper-respiratory-infection

International Cat Care. Pica in cats. https://icatcare.org/advice/problem-behaviour/pica-cats

International Cat Care. Cat Behavior Described: Abnormal manifestations of grooming.  https://icatcare.org/behaviour-described/maintenance/grooming/abnormal-manifestations 

***Dedico esse post e agradeço imensamente às Professoras Dra. Daniela Ramos e Dra. Juliana Gil da Psicovet, pela inspiração e ensinamentos <3 www.psicovet.com.br

Compartilhe:
  • 1208
  • 3
  • 4

3 thoughts on “Guia Definitivo do Enriquecimento Ambiental (Parte 2): o stress se esconde em casa!”

  1. Pingback: Cat Sitter: muito mais que uma “babá” de gatos! - Gatinhos Problema

  2. Cilla

    Minha gata é do 1% em quase tudo. Adora longas viagens de carro, fica louca para entrar na caixa de transporte, usa a caixa de areia só pra número 1, não se adapta com outros gatos não importa qual técnica se utilize, não reage a feromônios, odeia erva dos gatos, não come nenhuma ração úmida, sachê, patê ou petisco e tem síndrome de pica.

    Ela teve um inicio de vida traumática, veio de casa com superpopulação apresentando anemia, giardíase, fungos, problemas nos olhos e nos ouvidos. O mais difícil de curar foi o problema de fungos, foram meses de tratamento.

    A síndrome de pica não está só relacionada a enriquecimento ambiental, alguns estudiosos de comportamento animal relacionam o distúrbio com separação precoce da mãe. No caso da minha gata a escolha criteriosa da ração foi o que mais ajudou no controle do problema.

    Reply
    1. gatinhosproblema

      Oi, Cilla

      Sim, certamente esse não é o único fator que pode causar a síndrome de pica. No entanto, tanto a falta de enriquecimento ambiental quanto a separação precoce da mãe são fontes de stress constante, esse sim, o principal fator relacionado ao aparecimento da síndrome.

      Sua Gatinha deve ser uma princesinha! <3

      Um abraço!

      Reply

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *